Segurança dos alimentos

A ingestão equilibrada de nutrientes, propiciada por uma alimentação saudável, é essencial para a manutenção da saúde, mas igualmente importante é a segurança dos alimentos. As doenças causadas pela ingestão de água ou alimentos contaminados por microrganismos patogênicos, substâncias químicas ou materiais estranhos, representam um sério problema de saúde pública.

A contaminação pode ocorrer do campo à mesa, isto é, em qualquer etapa da cadeia produtiva dos alimentos, começando pelos locais de plantio e colheita, armazéns de estocagem, indústrias de processamento, mercados ou feiras livres, bem como na própria casa do consumidor. O auxílio de boas práticas agrícolas, boas práticas de produção e de manipulação, bem como da fiscalização pelo órgão competente e da educação sanitária de todos envolvidos, incluindo o consumidor, é fundamental para se reduzir as perdas e garantir uma alimentação sem riscos.

A escola é um espaço estratégico para o desenvolvimento de ações de educação em saúde, visto que o processo de sensibilização e consciência sanitária no início da infância promove hábitos e posturas voltados para a melhoria da qualidade de vida física e mental dos jovens, que eles levarão para a vida adulta.

A alimentação segura mobiliza temas como a produção de alimentos, a higiene pessoal, os cuidados na manipulação, na conservação e no local de preparo dos alimentos, mas igualmente importante é a discussão sobre o uso e a preservação da água, bem como sobre a gestão de resíduos e esgotos, uma vez que a falta de saneamento básico pode favorecer a proliferação de doenças transmitidas por água e alimentos.
Além da necessidade de promover a saúde, vale lembrar que o custo da prevenção de doenças é muito menor do que aquele empregado no tratamento destas.

Caderno de incentivo à leitura

Faça o download do carderno de incentivo à leitura.

TOPO